Sexta-feira, 17 de Junho de 2005

Nu Belisca ... ( conhecimento...)

Pela noite estávamos e pela noite nos sentíamos bem. Inspirados. Soube bem, sabia bem. Eu sentia-me bem. E ao vê-los bem, sorria. Isso deixava-me em paz, tranquila, satisfeita e porque não, feliz.
Mas… havia que fazer qualquer coisa. Aquela música cantada até ao limite das cordas vocais até me arrepiou o elástico…er… da roupa interior e nem foi pelos melhores motivos. Mas que era engraçadíssimo, era. Estava solto, o Puto – Isso… A Eros sorria e os olhos brilhavam como lhe fazia falta há algum tempo. Tinha as folhas da árvore, reluzentes. Uma aura de bem-estar cercava-nos. Observei-os de longe. Desde o bar.
O Puto-Amigo-Do-rolo-Da-Massa estava endiabrado e isso sim, deu gosto de ver. Ó de ver…Ó se vi…
Certa que a noite ainda nos esperava algumas surpresas, fui buscar umas bebidas. Poderia beber o que quisesse, que não me afectaria, senti isso ao primeiro shot. Estava bem, logo, não iria sucumbir, conheço-me.
O Puto estava possuído e mais iria estar, verdadeiramente. Enrabichou-se por um dos presentes. Era gentil, mas “to the point” sem margem para dúvidas do que queria. E queria aquele rapaz. Foi isso que deu a entender, conseguiu fazer chegar os seus intentos e houve retribuição.
Começaram na pista, com o Puto em plena provocação. Um toque aqui, outro ali. Reacções corporais, conseguiu. E de que maneira. Inspeccionou manualmente as bochechas da parte inferior do corpo do rapazola com as mãos e aconchegou os dedos aos…er...botões. Roçava-se ligeiramente de forma sinuosa aos botões do rapaz…e colocou o dedo na boca, humedecendo-o, tirando e passou sobre os lábios do rapaz. O rapaz sucumbiu. Agora queria ele tocar e apalpar, mas o kiinky- ou- Isso , não deixou muito. Picava, provocava e deixou o rapaz louco. Afastou-se, dirigiu-se ao bar e deixou o rapaz ofegante, a querer segurá-lo. Libertou-se do braço, sorriu. Na caminhada até ao bar, não se voltou para trás uma única vez. O rapaz não tirava os olhos dele e ele sentia. Pediu uma bebida, doce e uma garrafa de água. Depois do pedido feito virou-se e olhou de modo provocatório a sua “presa”. Encostou-se ao bar, mas não deixavam de se olhar, olhos nos olhos…As bebidas chegaram, kiinky pegou nelas… e fez sinal ao rapaz para o seguir, em tom de desafio e encaminhou-se para a casa de banho.

Não resisti a ser empata-fodas, fui atrás.

Dei um pouco de tempo e espaço, de seguida encaminhei-me para o local…
Entrei no wc…portas vermelhas também. Decorado com algum bom gosto. Linhas simples, práticas, mas detalhadas. Havia gente a vomitar num dos cubículos, de porta aberta. Alguns serviam-se dos urinóis para verter águas. Pouca gente. Nem estranharam quando entrei, pouco depois saíram. Com excepção do indisposto. Percebi onde estavam… Senti que a porta estava mal fechada. Bateu ligeiramente. Senti uns gemidos, mesmo com a música, o eco do wc ajudou. Sorri ligeiramente perversa. Abri a porta!
–Ahá! – utilizando uma expressão à lá Puto – Amante - de - Pau.
Estava o Kiinky de joelhos a rezar, para outra cruz de pau…! Eu que munida do telemóvel com direito a 3G… estive a er…lucidez de espírito e …Foi cá um Flash…A criatura olhou-me pelo canto do olho, perdão, vista… E com o falo na mão perguntou:
- Fiquei bem? É que esse lado não é o meu mais fotogénico nem o que me favorece melhor…- e gargalhou.
Eu desatei a rir…e Eros que foi atrás, preocupada com a demora e a bem dizer, conhecendo-me e sabendo como a Criatura e eu nos dávamos por vezes… viu logo que coisa fresca não era. Chegou e balbuciou: -Eu não acredito!!! Ahahhha – e teve um ataque de riso, eu idem e o puto riu tanto que apertou demasiado o instrumento ao rapaz, que por esta altura estava perdido…de forças…murchou.
-Olhem eu perguntava se eram servidas, mas parece que até eu fiquei sem combinado, nem meia-dose, nem-prato feito! - dizia enquanto tentava recuperar o fôlego dispendido nas gargalhadas…
O rapaz desconcentrado e não percebendo nada do que se passava, exclamou: -São doidos! – enquanto guardava a ferramenta nas calças. E saiu.
Recuperámos, saímos do wc, com o Kiinky a querer ver no telemóvel se tinha ficado bem, pedimos mais uns shots, riamos enquanto lembrávamos da cena e dançávamos…
Apanhei uma pulga naquele bar. Ai este puto é assim, só me traz para sítios assim…para a próxima um acessório obrigatório: uma coleira para bichesa, usada de modo a parecer uma gargantilha…isto se nos deixarem lá entrar, depois daquele show no wc…


SeeUArround e afins... ;-)




publicado por Pontog às 12:47
link do post | Dedos Marotos | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 18 de Junho de 2005 às 15:36
Bem,que história e que imaginação.
Bom fds.
Bjs.Art Of Love
(http://bizaazul.blogspot.com)
(mailto:bizaazul@iol.pt)


Dedos Marotos

.Mais sobre Nós

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28


.Posts recentes

. Regressei (acho..)

. Vem aí o Natal...! Ho!Ho!...

. Catálogo púbicus! (perdão...

. Voltei...

. To whom it may concern...

. Os sonsos...

. Dia do Egoísmo (Reposição...

. A história D'el feijão má...

. Feliz Aniversário, Kiinky...

. O primeiro beijo

.Preliminares

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.tags

. todas as tags

.Interesses Especificus

SAPO Blogs

.subscrever feeds