Terça-feira, 27 de Setembro de 2005

Amélia dos olhos doces


Numa das minhas visitas à revisão, encontrei-a.
Apesar de já fazer uns tempos, lembro. Tenho boa memória, é um facto. E ela, por si só fez/faz impossível por ser olvidada. Não o é. Não o será.
Estava tão pequenina, a alva senhora. Cabelo branco, puro algodão. Gentil velhota.
Encolhida.
Olhei. Tremia.
Estava sozinha e olhava tudo de modo a tentar encontrar alguma familiaridade a que pudesse recorrer ou agarrar; de modo a sentir-se menos estranha.
Sorri para mim mesma, ao olhá-la, ao vê-la…reconheci a sensação. Era a sua primeira vez ali.
Os olhos dela encontraram os meus, na sua busca de âncora… Li-lhe o olhar. Olhos doces, olhar límpido.
Sorri uma vez mais ao ler o que lhe ia pelo olhar. Ela percebeu. Retribui com movimento. Sentei-me perto. Em silêncio. Ela tentou sacudir o medo que a tolhia, de estar num sítio completamente estranho, novo e desenraizada…
Ao chamarem-na de novo a fim de lhe devolverem uma papelada que não mais acabava com indicações várias, reconheci o sotaque…do Sul.
Sorri novamente perante esta percepção.
Suspirou. Profundamente. Tentava aplacar o receio.
Estava sozinha. Ou melhor, sentia-se desacompanhada…balbuciou algo…para ela própria se ouvir: (suspiro) – Que faço eu aqui…? (suspiro e abanou a cabeça) …
O que a doce senhora balbuciou passa a todos os que lá vão, poucos lhe dão expressão verbal.
Gentil senhora dos Olhos Doces. Inocência. Receio.
Precipitei-me num movimento. Coloquei a minha mão gelada em cima das dela, quentes. Apesar das minhas mãos gelo (sim, estou sempre gelada), ela não se encolheu (como costumam fazer), não fugiu ao toque, não tremeu…Permaneceu com a minha mão pousada.
-Quando a chamarem e se quiser, vou consigo…podemos sempre dizer que sou a sua neta, que tal?... – E ri. - Vai tudo correr bem… – acrescentei e pisquei o olho.
- Que olhar maroto – retribuiu ela e abriu um sorriso…soltando uma leve gargalhada animada… Olhos doces…muito doces.
Perguntei-lhe (já sabendo a resposta), de onde era…e falámos sobretudo dela… e do sítio dela. Transportámos memórias para ali fazendo dali um sitio menos estranho… O tempo passou…a expressão de medo, dissipou-se…Os olhos ficaram ainda mais doces e límpidos…e o sorriso mais sorriso.
Perto da vez dela, alguém chegou e ela ficou ainda menos só… sossegou mais um pouco e ao chamamento ela foi, agora com a legitima…uma surpresa, inesperada, mas grata.
Doce Amélia, foi, mas olhou para trás…olhou-me com aquela doçura no olhar, sorriu e esboçou um – Obrigado.
Não mais encontrei Amélia dos olhos doces… até hoje, não soube dela… Encontrei a neta de olhar Saudoso…viu-me e sorriu, percebi… ela também: - A neta alfacinha… – eu.
Amélia dos Olhos doces, hoje fui eu que senti as tuas mãos cálidas por cima das minhas, geladas… a aplacarem o receio.
Até, Doce e Gentil Senhora….

SeeUArround e afins... ;)

publicado por Pontog às 22:52
link do post | Dedos Marotos | favorito
Terça-feira, 20 de Setembro de 2005

Vou ali, volto já...



....Um pedido de informação... alguem sabe se nas unidades hospitalares ou assim há circuito de internet ? com ou sem fios... ? .... ( é que se tiver, tenho de ir comprar um portátil..ehehhe).

bom, penso que vou ao estaleiro...e vão ficar "livres" de textos meus e baboseiras uns diazitos (?) (espero)...

Um Favor: Tomem conta e leiam ...da Eros e do(a) Isso, sff.....

Espero que seja num até já.... está na altura de ir apalpar uns enfermeiros...que usem fio dental...lol

Obrigado desde já...

SeeUArround e afins... ;)

publicado por Pontog às 16:01
link do post | Dedos Marotos | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 19 de Setembro de 2005

Eu estou aqui ... (música de momentos)

Escrevemos o nome no céu,
Com mil passos de dança por dar,
E mostraste-me um mundo só teu
Com promessas de ir e voltar

E eu estou aqui,
Eu estou aqui,
Eu estou aqui,
Eu estou aqui.

Trouxeste tanto que me querias contar
Sobre as cidades que há no fundo do mar

E eu estou aqui
Eu estou aqui
Estamos tão perto de estar tão longe,
Como dois loucos na madrugada,
Se me dás tudo, ficas com nada
E abrem-se janelas em nós.

Acendi as palavras na pele
Em tatuagens brilhantes de azul
E pousaste-me um beijo fiel
Em telhados de vento e sul

E eu estou aqui,
Eu estou aqui,
Eu estou aqui,
Eu estou aqui...

De: Pedro Abrunhosa



(finalmente consegui a letra!... Obrigada, Pedro)
(como havia retirado o outro texto escrito por mim hoje... acho que substituí bem... )





publicado por Pontog às 19:34
link do post | Dedos Marotos | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 18 de Setembro de 2005

Olhar parado...

PontoG 031.jpg Imagem captada pelo Ponto G na Fil Erótica

Saiu de casa e tal como era seu hábito dirigiu-se à pastelaria em frente para beber café. Não estava bem... o olhar deteve-se na imagem que uma montra reflectia. Sim, era bonita, tinha uns olhos bonitos expressivos... um corpo que chamava a atenção. Piropos não lhe faltavam. Havia sempre um candidato à sua companhia, mas... sentia-se tão só.
Candidatos á companhia de um corpo... Indivíduos que se borrifavam para as suas características. Tanto se lhes dava que fosse inteligente ou não; nem se preocupavam em saber o seu grau de cultura ... não se preocupavam em saber nada. Só viam o corpo. O corpo... era só isso que viam... desejavam...
Deu por si a duvidar de quem lhe dedicava atenção. A duvida que a matava... recordou tempos passados em que acreditava no Amor, na paixão... como pareciam longinquos. Recordou um namoradinho que teve, a forma como o seu olhar brilhava quando a encarava. Sentiu a ausência de um abraço sentido. Sentiu-se um mero objecto sexual.
Onde andam os sentimentos? Estaremos todos escondidos nas nossas conchinhas com receio de nos revelarmos? A vida terá mudado tanto... a necessidade de nos defendermos, a progressão profissional... sei lá... A reforma que vai demorar mais a chegar... os salários que não aumentam... o concurso para progressão na carreira... aquele gajo/gaja que passa perto e tem um corpo fenomenal... uns olhos lindos, um ... er.. rabo bom ... tenham dó!!!
Só o instinto comanda as nossas acções? E os sentimentos, onde estão?

Mas, para quê questionar-se tanto se era a primeira a ter toda a sua essencia fechada numa dessas caixinhas só deixando transparecer o aparente?

Embrenhada nos seus pensamentos nem notou que levava à boca o café a escaldar e... e, queimou-se. Mais uma vez... se as marcas dessas queimaduras fossem visiveis...

Fiquem bem
Tenham uma noite descansada e continuação de bom fim de semana

Erótica





publicado por Pontog às 04:48
link do post | Dedos Marotos | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 16 de Setembro de 2005

Setembro – peças…puzzle - I

Rico mês que é o mês que até por si só e se mais não bastasse nos encontrámos…cruzámos e começámos esta partilha que não cessa. Não sei que está escrito ou se de alguma forma estávamos inscritas…. Não faço a mínima, porque mínima sou eu, a pirolona tu. A sorte grande e a terminação…mas com determinação.
Virámos folha, página, livro…que se escreve e reescreve…que se encontra no dia e na noite para a continuação da história… Sentinela do ser, ilhas… hotéis fantasmas…mas também, trinca-espinhas miúda, das de uma grandeza magnânime. Empata e papa-açordas…de gargalheis e risadas díspares, constantes e presentes.
Um ano de dia a dia em que cada vez tinha mais horas e… em que o tempo não cabe, não chega. O querer estar mais e espreguiçar… o descontrair… a esperança renovada, encontrada e reencontrada todo o dia. Ora um momento seguido de um oki doki que logo depois recebe o “um eu vi um sapo”…linhas traçadas da vida, por minúsculas na tela de uma fundo colorido…troca de sentires e turras, casmurrice e resolução… são, coração …sem formatação.
Jogo de mãos, pensamentos e acção. Expressão…impressão digital, universal.
Pessoal pensamento, crescimento…Querer soberano, com quês de profano.
Depravações, perversões…citações…desejos e visitas de pai natal que ofertou o seu melhor recuerdo num qualquer dia de Setembro.
Tudo, com todo o resto…mundo perfeito e completo.
Bolo cravado de lato encontrado…condensado e adocicado… Tou esperançado em ser encontrado…
Mapa do tesouro e X unos numa inscrição e separados numa qualquer encarnação. Reclamação no bolso, entregue em mãos, com pisadela e lição com direito a sermão. Não se enganem para a próxima no género, não…
Um ano que desdobrado muitos mais se contarão… pelas horas pois então. Cálculo desfeito, sentir bem perfeito…
Imperfeições e muitas mutações e oscilações…mas amizade com precisões. Perigosa e constante… mau feitio e bicho do mato… Ficar em liberdade com alguém e na presença desse alguém…de ti. Como escrevi sobre nós. “Sabes... Esta amizade cresce e cresce...ou expande-se e expande-se... desisti de perceber, vou viajando nos sentidos que não são poucos. É melhor nem contabilizar o que podia ter já acontecido o não ter feito ou ter... opções...destino...não sei. Não sei mesmo. O sentir...o encher...o preencher. A loucura assumida. A contrariedade superada. A Oscilação "topada" e interpretada...a complicação desmontada...A aproximação de extremos...a igualdade, a diferença. Tudo, com todo o resto. O Ficar misturado com a liberdade. Ou a liberdade, ficando...A falta, a ausência que só o cheiro “pode dar noção de mortalidade...Mas a saudade preenchida... O medo...da mágoa... momentos inesquecíveis...a normalidade inexistente... contornos únicos... ó meus arco-íris...”
Trambolho, pançudo que de branquelas pareces translúcida…não és transparente aos sentires, não ao meu.
Tráfico, transferência, música…cruzámo-nos num recomeço, num princípio que virou recomeço…remédio e bálsamo produzido na medida certa. Efeito que tem causa…
Montanhas russas, turras barreiras, ameias e a collants…
Momentos voltados… de mãos vazias, que viraram braços cheios…tenho para ti um abraço para dar, entregar e retribuir.
Afecto e carinho crescente, presença permanente. Instala-se em mim a sensação que por muita oscilação, faço questão de dizer não à solidão…apertar-te a mão e reconhecer o coração. Ser livre na presença de alguém é bênção, poder ser mais ainda.
“Ora”, “hum”…que dizer, “sei lá eu” … de “gargalhei” a vocês sabem lá…de “lamechice” adocicada. De assumpção do Eu de todas as peças incertas e decertas…a enrabei e vociferei…Amizade conquistada, merecida e sofrida, mas prazeirosa e saborosa. Debatida e sentida…de nesta história de Era uma vez Ai só tenho a dizer: “mereceu”, aguenta!
Percurso liberto, coração aberto… Setembro, decerto.
Gosto muito de ti, miúda. Assim com as peças todas que de ti fazem parte…bem acomodada estás no meu lado bom. E bem vinda à minha vida.

publicado por Pontog às 16:13
link do post | Dedos Marotos | favorito

Setembro – peças…puzzle - II

II

Somos história antiga...aliás cada vez mais..e esta coisa do tempo por aqui nem resulta quantificar...já foi muito...as situações também. Opções, muitas opções.
A teu lado fui testemunha, crente, esperança...fui isso tudo... sou isso tudo...
Já te conheço faz uns tempinhos, já andámos muito uma ao lado da outra… Chegas a ligar para falar de ti e o que em ti está ou te inquieta e chegamos ao cúmulo de seres tu a me acalmar pelo facto de eu me indignar sobre quem te fez mal…incrível, não é?
Mas não concebo…não concebo o porquê de o fazerem, de te tentarem magoar… e insistem nos erros que já te levaram os esse caminho…por vezes as mesmas pessoas. Aquelas que te deviam tratar bem, mais que não seja porque merecer, porra!
Coração com pernas disponibilidade absoluta para gente irresoluta…

Mereces mais, tudo… e o que mais tiveres é por mérito. Mas o bom, que de resto já chega de tretas desmoralizadoras, quando em ti se reconhece o bom coração, a alma nobre…
Não percebo o facto de precisarem tratar mal as pessoas boas…deve ser por são conseguirem sê-lo… mas será que o tentam? Enfim…
Mereces o mundo, não esqueças…o céu azul, o sol quentinho…. A brisa que te afasta o cabelo gentilmente… mereces a presença do afecto retribuído da natureza personificada em algo que te acompanhe. Sempre.
És a mão que não falta a quem precisa. A porta que se abre… Não deixes que as ilusões dos outros acabem com a tua magia.
Enche os pulmões de ar e deixa-te invadir pela paz que te surge das pequenas coisas e o vento que te seca a lágrima que não cessam de a tentar fazer permanência em ti. És a força de ti, em ti e por ti… já conseguiste tanto….e nem dúvidas tenho que mais conquistas vou assistir…
Canta hoje, aquela música que te faz sorrir e já conquistaste mais um bom momento e resgataste um pouco de ti…
Bem-vinda ao mês de Setembro… à minha vida já estás e fazes parte...Gosto muito de ti por isso mesmo...por teres continuado (questão de qualidade ;))

P.S.1- Lembras quando conhecemos a miúda? ehehehe

III

São a bondade que chega estas duas corações com pernas, a generosidade é uma constante…o acreditar no ser humano, faz-me acreditar também…afastam a descrença de mim. É possível ser mais para elas, porque são as maiores receptadoras … são valiosas, mas não no sentido comercial, a não ser que se fale no campo das transacções dos afectos… são especiais pelo sentir. São a paz que encontro…a amizade retribuída… são a luta pelo mundo melhor e a esperança nos e dos afectos. São não só avalistas, mas quem dá luz ao que os outros têm de bom. Dão-lhe valor. O que entregarem seja, de afecto, carinho, paz, genuinidade…serão retribuídos em dobro ou triplo…ou do que for…mas conhecerão a felicidade, o estar bem…o querer encontrá-las. São sinónimo de autenticidade e crença.
Abram os olhos e olhem para elas mas não só, vejam-nas…não como querem que sejam, mas como elas são. Merecem bem a pena, porque são pura e simplesmente… elas.

P.S.2- Agora que já devo ir apanhar nas orelhas que chegue por dizer umas meras verdades… (se eu não aparecer liguem para o SOS FetichesDesaparecidos, sff).

SeeUArround e afins… ;-)

publicado por Pontog às 16:12
link do post | Dedos Marotos | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 13 de Setembro de 2005

Divagações....

Di...Vaga...ções...

sois vaga? ...sois ...luas... vagas idas e vindas... marés...
nem te escrevo em lado algum que não seja aqui, sem rectificações...sões uma vez mais...corações...
Bem vistas as coisas por vezes dá-me para isto.... mandar palavras...minúsculas, letras e ver a sopa que dá. A mim não dá mais nada que não seja deitar, libertar, soltar...
Divagações...nelas pensa-se no lado bom da vida....sem dúvidas que te enquadras nele, nesse lado...
Penso que até olho para esse lado mais vezes, é bom sinal...assim dou valor ao que tenho. Reconheço e vejo qu enão quero perder pelo menos esse lado...ou o que consta desse lado.
Peço, não tenho vergonha de pedir, nem me sinto mal...se me apetece pedir, porque não o hei-de fazer? Porque não hei-de mostrar o vazia que se descobria de não estivesse...pelo menos digo o que penso e o que penso e digo, nele vai o que quero e desejo.
Não sou uma pessoa de dramas, nem nas divagações...já os tive, tenho-os...mas mesmo sem se saber, houve quem me ajudou, mesmo quando o duvidava que fazia... não duvides.
Sim, jogo por vezes as mãos à cabeça...mas logo vejo que a tenho, que te tenho também...engraçado faz uns tempos e bom, creio que nos encontrámos numa das minhas jogadas de mão à cabeça...acompanhaste a decisão a importância dela...mesmo sem saber apareceste no momento importante para mim...sei que por vezes nem te apercebes como ajudas e deves pensar que a balança é está descompensada...não está.
Não me dou bem com disfarces nem dizer o que não sinto...primeiro sou preguiçosa para essas invenções, depois gosto demais do que sou, incluindo o que sou contigo para ir por esse caminho. Válido é a verdade...a verdade que temos e partilhamos, trazemos dentro de nós...não concebo ser ou dizer o que não é...não consigo.
Jogar a mão, qdo a tens sempre esticada para mim...tal como o inverso e o convexo e o nexo...
Não vou reler isto que escrevo, não sei como vai sair ou como cheguei até aqui...escrevi....liguei ao que senti...
tal como não penso no que temos em demasia ou de todo, curto... gosto, faz-me feliz e o que me faz sentir bem, não questiono...mas disfruto...
Não, não sou como os demais...nem o serei.
Sou do contra... e assim serei...bastando o meu sentir se manifestar.
Di vaga...é de vaga de farol de onda ...mar e oceano... meter água? pois que seja banho, benção ou algo que com o elemento toque e brinde...

Fazes sem dúvida parte do lado bom da vida...que tomo conta para que seja positivo e maior que o outro... sempre melhor porque é o que me faz sentir bem...

Mesmo sendo do contra....serei...tem consciência que sempre o serei...não caibo na forma...

como diz o outro... eu, tou aqui...lailaialai...


SeeUArround e afins... ;)




publicado por Pontog às 16:02
link do post | Dedos Marotos | favorito
Segunda-feira, 5 de Setembro de 2005

Férias...

Passei por cá.. li alguns dos comentários q foram deixando... poucos ,mas também já estamos habituadas a que sejam poucos mas alguns melhores q outros (lol) e resolvi deixar qualquer coisa escrita. Na realidade a vontade de escrever não tem sido muita... Tantos acontecimentos a registar na vida e tao poucas palavras aqui ... são momentos... de encontro.. reencontro... nem sei q diga.

Há tanto por dizer...
Há tanto que ainda não consigo escrever...
Fica a promessa no ar.
Em breve...

Tenham uma noite descansada :)

Fiquem bem e... não esqueçam, sejam felizes ;)

Erótica

publicado por Pontog às 04:03
link do post | Dedos Marotos | ver comentários (1) | favorito

.Mais sobre Nós

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28


.Posts recentes

. Regressei (acho..)

. Vem aí o Natal...! Ho!Ho!...

. Catálogo púbicus! (perdão...

. Voltei...

. To whom it may concern...

. Os sonsos...

. Dia do Egoísmo (Reposição...

. A história D'el feijão má...

. Feliz Aniversário, Kiinky...

. O primeiro beijo

.Preliminares

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.tags

. todas as tags

.Interesses Especificus

SAPO Blogs

.subscrever feeds