.....

Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2006

O indistinto momento que se gosta de alguém (Quando...)

Se aceita, não a ideia que se tem da pessoa ou como seria melhor (seja por que conveniência ou supostas opiniões, mais ou menos próprias, alheias), guiarem a sua vida de maneira a serem felizes.
Ou seja, posso não concordar, mas aceito e respeito a opinião, a decisão. Ser livre na presença de alguém…sendo assim, é impossível ligar isso a expectativas…pois desfruta-se, gosta-se. O importante quando se gosta de alguém, seja riscado a que cor, ou traço mais ou menos preciso no sentimento de alguém a cores mais ou menos ariscas, mais ou menos arrojadas… o importante passa a ser isso… a liberdade e a felicidade por associação e respeito pelas decisões…
Surge tudo como se fosse algo assim, não controlado, mas indesmentível, importante.
Porque te aproximas e encantas coma magia, não ilusão.
O indistinto momento, surge quando, apartando todas essas coisas o mais importante é o que a pessoa é, não o que julgamos que seja, é assim que se gosta genuinamente de alguém…
No indistinto momento que se gosta de alguém, sente-me que se pode efectivamente mover montanhas, tocar as nuvens, porque isso acontece efectivamente, sobe-se aos Himalaias de felicidade, da mesma maneira que se desce ao inferno por não conseguirmos fazer essa pessoa sorrir…ou então o pico da frustração, inutilidade e impotência, de não conseguir com que a pessoa pode vir ter connosco… para dividir o sorriso, ou a lágrima… porque há sempre o abraço que se partilha, o beijo carinhoso que nos recebe… e o afecto que nos acolhe.
Porque o relevante, imprescindível é que - se é caminho de duas vias – o caminho seja menos importante que a pessoa, porque a pessoa é o que conhecemos e gostamos já, agora o caminho é uma opção variável. O fulcral é que a pessoa que toma a decisão, sobre qual for o caminho saiba, que como ela é hoje já é amada e não…pelo aparente. Pela essência, não pela história que conta, a máscara que usa (ou não) o que lhe pedem ou entrega… mas pela essência e a sua capacidade de amar, própria…seja que sentimento for, pintado a que rasgos coloridos forem e possíveis: amizade, relação de Pais/filhos, homem/mulher, homem/homem, mulher/mulher...amor, paixão...visíveis ou invisíveis os laços...a pessoa sabe que pode chegar(se não sabia, passa a saber), seja como for…
Coragem para dotar os outros, ceder aos outros, parte de uma necessidade de entendimento, que reconhecemos também em nós existir.
...mas tem de fazer parte de uma caminho que o leve até ao outro e ao indistinto momento que vai ver e saber, sobretudo sentir, que os braços que o acolhem, não o julgam, apenas apoiam…coragem.

SeeUSoon...


publicado por Pontog às 17:13
link do post | Dedos Marotos | favorito
|

..

Imagem(037).jpg

.Mais sobre Nós

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28


.Posts recentes

. Regressei (acho..)

. Vem aí o Natal...! Ho!Ho!...

. Catálogo púbicus! (perdão...

. Voltei...

. To whom it may concern...

. Os sonsos...

. Dia do Egoísmo (Reposição...

. A história D'el feijão má...

. Feliz Aniversário, Kiinky...

. O primeiro beijo

.Preliminares

. Fevereiro 2007

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.tags

. todas as tags

..

eXTReMe Tracker

.Interesses Especificus

SAPO Blogs

.subscrever feeds